terça-feira, 5 de maio de 2009

O voyeurismo midiático

Voyer-adorador de imagens

Atualmente temos uma ampliação da manifestação voyeurista, pois este tipo de prazer não está mais contido apenas no olhar pessoas se despindo ou tendo relacionamento sexual; contrariamente, também escoa na curiosidade exagerada em conhecer outros detalhes e momentos da intimidade de alguém, especialmente se o mesmo for um ícone veiculado pela mídia. A intimidade, objeto do desejo voyeur, pode aparecer sob as mais variadas formas, como na exibição da decoração residencial, do animal de estimação, da família reunida numa festa ou no foco de uma dessas câmeras "discretas" que permanecem 24 horas no ar em alguns

sites da internet.

O voyeurismo tornou-se canal para a satisfação de desejos psíquicos inconscientes, legitimada e incentivada pelas diversas mídias, entre elas programas televisivos de elevada audiência e revistas de grande tiragem, que apelam a um sensacionalismo contextualizado na vida privada. A promessa de prazer e felicidade enunciada pelo marketing mercenário da mídia é continuamente descumprida, criando nos indivíduos uma ilusão falsa de satisfação. Na realidade, o prazer imaginário voyeurista caracteriza-se por um estado fútil, centralizado no plano da fantasia, que gira em torno da promessa, ou seja, no desejo do ter, e não no próprio ter. O voyeurismo social engrena-se perfeitamente na funcionalidade do sistema, no sentido de perpetuar o ciclo do consumo irracional e desenfreado.



Sucesso e Sarjeta

A cultura atual tem enorme poder de persuasão, que induz os indivíduos a um processo identificatório no qual o principal instrumento que atende a esse objetivo é a própria mídia. Os indivíduos são bombardeados, cotidianamente, por uma infinidade de informações, opiniões e entretenimento que passam impreterivelmente pelo filtro da mídia. Os veículos midiáticos podem, perante a opinião pública, num dia colocar alguém na calçada da fama e, no outro, esse mesmo alguém na sarjeta da calçada; podem produzir ídolos que deflagrem uma histeria coletiva – talvez nem mesmo vista no culto prestado aos deuses pelas tribos primitivas – apenas com um simples acenar de mãos para os fãs; podem fazer com que valores contraditórios, numa sociedade predominantemente católica, convivam harmoniosamente; podem influenciar ou até mesmo determinar a formação de opiniões e valores sobre os mais diversos assuntos; enfim, há muitos fatores a serem considerados sobre o poder da mídia, mas acredito que estes, por si só, sejam suficientes para se ter uma idéia de sua abrangência.




Fontes:

www.novomilenio.inf.br
www.celsojapiassu.blogspot.com
www.samshiraishi.com
www.youtube.com
www.educacionista.ning.com
www.institutogp.com.br

Postado por :Rita Basile

2 comentários:

  1. O ser humano é muito voyeurista, creio que a cultra de massa só faz esses "idulos miojo" por que a população não tem estudo suficiente para entender certas coisas.

    Muitos programas que eu não assistia antigamente hoje tendo apendido muitas coisas novas na faculdade ja chamam mais minha atenção, pois antes eu não tinha base para entender e agora estou começando a ter.

    ResponderExcluir
  2. Quem nunca foi voyeur que atire a primeira pedra. Aliás, vcs estudam para isto... não?

    ResponderExcluir