quarta-feira, 29 de abril de 2009

Se tem acesso, faz sucesso!


Um fato interessante ocorrido nos últimos dias me fez refletir muito, resultando neste post. Até poucas semanas atrás você já tinha ouvido falar de Susan Boyle? Pois é, eu também não. Nascida em Blackburn, Escócia, Boyle era apenas uma cidadã comum candidata no reality show Britain’s Got Talent, com trajes simples e uma aparência um tanto rústica, porém surpreendeu a todos e encantou aos jurados e a todos que assistiam ela em sua aparição no programa cantando “I Dreamed a Dream” do musical Os Miseráveis. Realmente, foi um fato inusitado o que aconteceu, contudo o que mais surpreendeu foi a velocidade com que se espalhou. Após ser disponibilizado o vídeo de sua apresentação no site YouTube, o mesmo quebrou recordes de visualizações com mais de 100 milhões de acesso em poucos dias.
O primeiro ponto a se pensar é o porquê do sucesso tão repentino. Afinal Susan já possui 48 anos de idade, e se o talento dela é tão evidente assim, por que ela nunca foi descoberta? A resposta para essa pergunta é quase tão difícil de obter como respostas para questões sociais no mundo. O fato é que na Grécia Antiga, Platão já havia pensado nessa questão quando escreveu A República (livro VII), mas precisamente a parábola chamada de Alegoria da caverna. O ser - humano é e sempre foi fascinado por imagens, mas do que simplesmente saber, ele precisa ver. No mito da caverna podemos observar isso, no qual pessoas nascidas em uma caverna vivem a vida inteira, acorrentadas e com a única visão de uma parede da caverna, na qual é possível ver imagens formadas por sombras devido à fresta de luz que projeta o mundo fora da caverna, fazendo com que essas pessoas não mudem de posição acreditando que aquilo seja realidade, e de certa forma é a realidade! A realidade da caverna.
Susan Boyle nada mais é que as sombras da caverna descrita por Platão, pois assim como os seres que viviam na caverna, apesar do passar dos anos, muitos de nós só enxergam o que esta a nossa frente. Deste modo, o acesso ao talento de Susan Boyle só foi possível devido aos meios de comunicação. Talvez existam mais Susan Boyle’s por aí. Talvez.
Um filme que me fez pensar sobre esse poder da Internet como meio foi o Sem Vestígios (untraceable), em que um assassino escondido no mundo virtual, cria um site no qual promove mortes ao vivo. O mais interessante disso tudo é que as mortes estão diretamente relacionadas ao número de acessos do site. Ou seja, quanto maior o número de pessoas acessando o site, mais rápido a vítima morre. E o filme mostra exatamente a rapidez com que as mortes acontecem, pois mesmo sabendo da crueldade realizada pelo assassino, as pessoas se sentem tentadas e curiosas a visitar o site. Até que ponto somos seres “voyeurs”? Que o ser – humano é essencialmente “voyeur’’ nós já sabemos, mas nessa situação o voyeurismo chega ao extremo, pois mesmo sabendo que a visualização do site acarretará na morte mais rápida de uma pessoa, o instinto fala mais alto. Essa é concerteza uma questão a se pensar, dessa forma convido vocês a fazê-lo.

Referências Bibliográficas:
http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL1102549-9798,00-HISTORIA+DE+SUSAN+BOYLE+PODE+VIRAR+LIVRO+E+FILME.html
http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL1092611-9798,00-VIDEO+DE+BRITANICA+VENCEDORA+DE+CONCURSO+JA+TEM+MILHOES+DE+EXIBICOES.html
http://www.cinepop.com.br/filmes/semvestigios.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Susan_Boyle
Platão, A República, v. II, Alegoria da caverna.
http://www.youtube.com/watch?v=uk2yIqBfb_I

5 comentários:

  1. gostei muito do post.
    acho que no caso o que fez Susan ter um sucesso tão repentino foi o fato da novidade.
    olhando aquela mulher não se dava nada, ela não tinha a postura de uma pessoa talentosa (aquela confiança que chega a ser arrogante) e era simples de tudo como a mulher da roça que ela é, todos desdenharam até verem ela cantando.

    ou seja é algo novo uma mulher totalmente simples e desprovida de beleza cantar tão bem.

    ResponderExcluir
  2. Não acho que seja algo novo! muitos artistas, não são bonitos! mas o caso da Susan e que realmente ela é simples e o programa por ser reality show, todos pensamos em pessoas bonitas pois é o que sempre vemos!
    Aí aparece a Susan com uma voz incrivel, não é de se estranhar a surpresa de todos!

    ótimo post!! Parabens!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Também não acredito que seja algo novo o fato de Susan ser desprovida de beleza e cantar tão bem. Pois beleza ajuda, mas não chega a ser o primeiro quisito quando falamos de "verdadeiros músicos". A questão é que assim como Susan, existem milhares de pessoas na mesma situação, contudo nem todas essas pessoas serão descobertas, a não ser se tiverem "ajuda" dos meios de comunicação que como muitos dizem é atualmete o Quarto Poder.

    ResponderExcluir
  5. ÓTIMO TEXTO!

    Acho que não só em se tratando de talento mas, muitas coisas hoje em dia são conseguidas através do poder de influenciar que a mídia têm e o seu alcance. Em muitas situações é necessário que a mídia "valide" o talento (no caso de Susan), a necessidade (no caso daquele esgoto a céu aberto na periferia que precisa ser resolvido pelo poder público), enfim... a mídia acaba determinando até certos comportamentos nas pessoas, no caso de Susan, a admiração ("Oh! Como ela canta bem! "Tá" até na TV!").

    ResponderExcluir